Zero – Ignácio de Loyola Brandão

interlunio37-zeroPublicado em 1974, primeiramente na Itália e só depois no Brasil, Zero é um romance que oferece um retrato pungente de sua época, pois foi escrito pela necessidade de grito diante da Ditadura Militar Brasileira (1964-1985), um período marcado pela censura cultural e o controle dos indivíduos no que eles tinham de mais íntimo, assim como a prisão, tortura e assassinato de pessoas que se opusessem de qualquer forma ao regime.

Extremamente experimental, Zero é um dos romances mais incomuns com que um leitor pode ser deparar na Literatura, pois ele intenta retratar o caos tanto no conteúdo quanto na forma e isso fica evidente pelos vários tipos de textos que se apresentam ao longo da narrativa: a simulação de recortes de jornal, propagandas, cartazes, inscrições de banheiro, letras de músicas e inúmeros outros tipos de texto vão criando uma paisagem do país e seu contexto histórico-social. A diagramação é inusitada, semelhante a de um almanaque, com diversas tipografias, para cada gênero de texto e para cada tipo de efeito. O autor queria ter utilizado até quadrinhos no corpo do livro, o que não foi possível na época de publicação. Além disso, as notas de rodapé oferecem um ponto de vista à parte, com o próprio autor (ou um narrador onisciente, como queira) conversando com a história e ironizando o que está sendo feito ou dito pelos personagens.

O protagonista de Zero é José Gonçalves, um homem comum, que mata ratos num cinema vagabundo. Ele conhece Rosa, sua futura esposa, através de uma agência matrimonial e vive uma relação de amor e ódio com ela, com inúmeros momentos tanto de intensas atividades sexuais como de enormes brigas. Ao longo do livro, José vai se tornando cada vez mais inconformado com o mundo e sua situação neste, até que torna-se um criminoso, e a partir daí o livro vai ficando cada vez mais caótico e violento. O personagem é um símbolo exagerado do inconformismo e do caos:

“Eu fico puto da gente ir aceitando assim, por aceitar, porque está pronto, não precisa mexer. Na verdade, não é bem puto, eu fico confuso, me atrapalha. Às vezes, para mim, uma coisa é quatro e não sete, como eles estão dizendo, mas eles não podem ver como eu posso, que ela é quatro. Eu sinto dentro de mim a linguagem das coisas me dizendo: eu não sou isso, sou aquilo. E tenho que acreditar nas coisas, sejam pedras, paus, plásticos, ferros, papel, flores, o que for.”

Enquanto ocorre a saga de José, acompanhamos outras pequenas sagas, e a partir delas o autor aproveita para fazer várias críticas à situação dos brasileiros. Um exemplo disso é a história de Carlos Lopes, que enfrenta uma burocracia esdrúxula e massacrante para que o filho doente seja atendido por um médico. Em outro momento ele põe em foco a falta de identidade dos conjuntos habitacionais, com a personagem Rosa perdida quando volta para sua casa pela primeira vez e não sabe localizar onde mora. Ele ironiza a sufocante padronização de tudo, a proibição do pensamento, do sexo, do prazer, sobretudo das mulheres.

Na edição comemorativa de 35 anos da Global Editora há um depoimento do autor chamado “E se eu não tivesse tido coragem de publicar o Zero naquele ano de 1974?” em que ele comenta como o livro foi se formando, a partir de vários textos que eram censurados no jornal Última Hora, local em que trabalhava na década de 60. Brandão imaginou que tudo aquilo poderia ser aproveitado, uma história que contasse aquilo que não poderia ser dito. Tudo é narrado da forma mais enxuta possível, pois o leitor já conhece a realidade do que lê. Não há necessidade de muitas descrições, daí o grande número de sugestões, com a enorme variedade de textos que compõem o romance. Não é exatamente um livro para apreciar a leitura: é um livro para pensar e para constatar que o passado não faz a menor falta.

Esta leitura faz parte do Projeto Lendo a Ditadura.

Selo_lendoaditadura.blogspot.com

Anúncios

6 comentários sobre “Zero – Ignácio de Loyola Brandão

  1. Lua, desculpa, mas não entendi quando você diz que não é um livro para apreciar a leitura…você gostou? Eu achei incrível esse lance de parecer um almanaque, com diferentes tipografias…Já tinha ouvido falar de Zero, mas sério, seu texto me deixou com vontade de correr para um site agora…
    Um beijo enorme!

    1. Maira, eu gostei do livro mas não foi uma leitura agradável pra mim, por vários motivos. É um romance muito experimental e muito brasileiro, então em vez de me levar para outro mundo ele me trouxe para a mais dura realidade. É quase como ler não-ficção, entende? Eu acho que o prazer da leitura desse livro vem da genialidade do autor, mas não da história, que é muito pesada e nonsense em alguns aspectos. Além disso, em determinado ponto do livro acho que esses recursos do autor ficam repetitivos e cansativos. É um livro para causar impacto, inovador, então acho que ele agrada mais a um determinado tipo de leitor. Talvez você gostasse! =)
      Beijinho!

  2. Dá mesmo para imaginar que seja um livro para um tipo de leitor bem específico, mais interessado na forma e no experimentalismo do que na narrativa em si. Sou mais do tipo tradicional, então não sei se apreciaria a leitura, mas confesso que fiquei bem curiosa.
    Beijo!

    1. Mi, acho que você não iria gostar. No começo dá para se envolver muito com os personagens mas o livro vai ficando cada vez mais caótico. Mas se tiver oportunidade de dar uma olhada nele na livraria ou na biblioteca, não perca a chance porque é bem diferente. =)
      Beijinho!

  3. Oi, Lu!
    Vi você falando no snap que ia fazer posts diários, e hoje, como estou doente e de molho, vim conferir.
    Tá de parabéns, viu? Acho mais difícil escrever diariamente que gravar vídeos diariamente. Está matando a pau!
    Parei para comentar nesse post, mas li vários ótimos. Adorei a resenha de Tirza, de Na Praia e do livro da Bensimon (acho que esses dois vão passar batido, rsrs). Você é muito inteligente e escreve bem demais! Sou fã!

    Beijo com saudades!

    1. Oh, Aline, seu comentário me deixou tão feliz! Está difícil de manter, talvez eu não consiga até o fim, também estou aqui doente que só. =(
      Mas estou fazendo o possível pra ir até onde der, rs.
      Muito obrigada pelos elogios, linda! Vindo de você são muito especiais pra mim, viu?
      Eu é que sou sua fã! Beijão!!!

Deixe um comentário e eu responderei aqui mesmo. Obrigada pela visita!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s