Projeto Para ler como um escritor #1 e Romances Setecentistas

63_crusoeProjeto Romances Ingleses Setecentistas
Sempre que leio um livro que se refere a outros livros fico curiosa para conhecê-los e isso acontece muito com livros de teoria ou análise literária. Há alguns meses tenho lido A Ascensão do Romance, de Ian Watt, e me propus a ler os 5 romances de que o autor trata: Robinson Crusoé e Moll Flanders, de Daniel Defoe; Pamela e Clarissa, de Samuel Richardson e Tom Jones, de Henry Fielding. Assim eu poderia conhecer aqueles que são considerados por muitos os primeiros representantes do gênero romance. Com Daniel Defoe foi tranqüilo: apesar de Moll Flanders ter uma história episódica demais, consegui ler sem maiores problemas. Robinson Crusoé foi uma surpresa, o autor consegue prender o leitor para o cotidiano do personagem, mesmo que haja pouca ação. É um livro mais de reflexão sobre a vida, solidão e ambição do que de aventuras, como eu julgava que fosse.

Pamela, de Richardson, foi um exercício de paciência. É um romance epistolar sobre uma garota que tenta fugir das investidas do patrão e desabafa através de cartas para seus pais. Como eu comentei no Goodreads, é uma espécie de A Bela e a Fera do século XVIII e acabei desistindo da leitura, coisa que detesto fazer. Por conta disso, não devo ler Clarissa também, pois apesar de ser considerado bem melhor que Pamela, não estou querendo encarar suas centenas de páginas em inglês (acredito que não há edição brasileira), ainda mais sabendo que a história é semelhante à de Pamela. Agora só falta Tom Jones, do Fielding, que irei ler assim que conseguir uma cópia.

01_escritorProjeto Para ler como um escritor
Outro livro que está me servindo de guia de leitura é o Para ler como um escritor, de Francine Prose. Estou pegando carona num projeto pessoal da Juliana Brina e aos poucos vou comentando por aqui o que eu for conseguindo ler de suas indicações. Serão comentários breves e não irei falar sobre o livro em si porque a Juliana já está fazendo ótimos vídeos sobre o livro e as obras contempladas nele. Basta dizer que é um livro sobre leitura atenta, uma guia para leitores e aspirantes a escritores prestarem atenção em detalhes dos textos literários. Para minha grande surpresa, o livro já me jogou para uma direção bem bacana, que é a leitura de contos, gênero que tendo a torcer o nariz. Comentarei em seguida alguns dos que já li, avisando de antemão que haverá spoilers.

03_flannPara começar, um dos que mais me deixou encantada: “Um homem bom é difícil de encontrar”, de Flannery O’Connor. É a história de uma família que sai de férias em direção à Flórida e no meio do caminho, por uma intervenção equivocada da avó da família, acabam sofrendo um acidente que os levam a uma tragédia ainda maior: o encontro com um psicopata que está a solta. Você percebe, ao ler o conto, que a autora pensa em cada detalhe, como ela é cuidadosa e consciente do que está fazendo e como são bonitas as antecipações que ela dá ao leitor do que vai acontecer. É interessante perceber como a personagem da avó prepara toda a situação, como se ela fosse realmente a fonte de toda a desgraça que vai cair sobre aquela família: ela evoca a existência do psicopata mostrando a notícia sobre ele no jornal; ela concorda em fazer a viagem, mesmo sendo contra; ela coloca violetas no peito para o caso de acidente pensarem que ela é distinta; ela leva o gato escondido; ela leva a família a um lugar inexistente e não tem coragem de dizer que estava enganada…

A impressão que tive, logo quando a família pega a estrada errada, foi a de que é como se estivéssemos dentro de uma fantasia da avó, uma fantasia daquelas que as pessoas têm de que aconteça uma desgraça só para que elas provem que estavam certas. É emblemático ela ser a última personagem a morrer, ou mesmo a visão do carro preto do assassino chegando ao longe, com a aparência de um carro fúnebre, como se a própria morte chegasse para levá-los. Pode-se pensar também em destino, um destino implacável, um castigo que mostra que “ser bom” não é algo tão simples ou superficial como pensa a avó, não é apenas rezar e parecer uma senhora distinta. Mais simbólico ainda é ela ser julgada pelo Desajustado no final, que comenta que ela seria realmente uma pessoa muito boa se estivesse o tempo todo sob a mira de uma arma. E essa dicotomia do ser humano, ser bom ou ser mau, bem como o que é justo ou injusto, é resumida numa fala dele e lhe serve de justificativa para as coisas que ele faz: “não consigo encaixar as coisas para que tudo que eu fiz de errado corresponda a tudo que sofri de castigo”. A avó e a família também não, por mais que fossem pessoas egoístas e hipócritas, talvez não merecessem o que lhes acontece, mas é justamente essa a ironia do Desajustado e essa é a genialidade da O’Connor, que eu espero encontrar em seus outros contos.

02_mansfOutro conto indicado pela Prose é o “As filhas do falecido coronel”, da Katherine Mansfield, que conta a dificuldade de duas irmãs ao se depararem com a morte do pai, já que elas não sabem o que fazer com a liberdade conquistada. As personagens são duas solteironas que vivem como se fossem duas crianças. Em sua maneira de falar e em cada atitude cotidiana elas demonstram o medo que sentem do pai – mesmo depois que ele morre –, o medo da empregada, o medo da vida. Muito sutilmente a autora nos revela o quanto esse pai era tirano e o quanto as irmãs estão perdidas, como o tempo passou e o que restou para elas é pouco. Senti uma leve semelhança com os contos da Lygia Fagundes Telles, talvez pelo clima que ela constrói, por essas sutilezas que vão demonstrando as características dos personagens mais pelo que escondem do que pelo que mostram.

Na próxima devo comentar sobre “Dulse”, de Alice Munro, “Os mortos”, de James Joyce e “Chama celeste”, de Tatyana Tolstaya.

Anúncios

12 comentários sobre “Projeto Para ler como um escritor #1 e Romances Setecentistas

    1. Paty, o único problema desse projeto é que muita coisa não tem em português, algumas coisas estou lendo em inglês, mas sei que você não tem familiaridade com o idioma. De qualquer forma, alguma coisas estou adquirindo, se você tiver vontade de ler algum desses contos posso escanear os que tenho em português, ok? Beijos!

  1. Já ouvi falar que a história de “Robinson Crusoé” cheia de aventuras que preenchem nosso imaginário infantil é bem diferente do livro. Quero ler, assim como “Moll Flanders”.
    E é impossível não se deixar envolver pelos vídeos da Juliana, né? Não sabia que você estava fazendo uma versão do projeto! Vou acompanhar. Aliás, adorei esse primeiro conto!
    beijo

    1. Mi, Moll Flanders não recomendo muito não, mas Robinson Crusoé é legal, dependendo do leitor ele pode até ser visto como um livro religioso, mas é bem legal, eu gostei. Pois é, os vídeos da Juliana são incríveis, me empolguei com as leituras. Se tiver curiosidade com algum desses contos e não achar por aí, posso arranjar, viu? Beijo!

  2. Lua, ando cada vez mais apaixonada por esses textos onde a pessoa comenta seus projetos de leitura, nos dá uma pequena dimensão dos desejos de que quem escreve 😉
    Esse projeto da Juliana é lindo, só acompanho pelo vídeo, mas dá vontade de embarcar junto com ela.
    Quanto a Robinson Crusoé, tenho muita vontade de ler. E o que você diz sobre ser
    mais uma reflexão sobre a vida, solidão e ambição, me lembrou que eu sempre penso que é um livro de aventura, embora já tenha lido inúmeras vezes que não é – que coisa! Enfim, quero muito ler.
    beijo grande,

    1. Maira, sabe que tem até um pouco de aventura em Robinson Crusoé, especialmente no comecinho do livro e mais pro final, mas o “grosso” do livro é mais reflexivo mesmo. Minha surpresa com esse livro foi que ele não parece do século XVIII, pra mim passaria tranqüilo como algo do século XIX.
      Gosto desses projetos porque eles me levam a conhecer coisas que eu provavelmente demoraria a conhecer ou mesmo não iria atrás, é uma experiência bem rica. =)
      Beijinho, Maira!

  3. Também adoro livros que me permitem debater outros livros e literatura. Quero muito ler “Para ler como um escritor” este ano, mas ainda não sei como integrarei ao projeto, Lua. É que comecei 2014 querendo só ler os latino americanos! rs rs
    (Não li a parte dos contos, volto depois de ter lido os mesmos).
    Beijos!

    1. Ah, De, quase não há latinos na lista da Prose, só me lembro agora do Juan Rulfo e do Gabo. Mas como esse projeto vai me tomar anos, vou seguindo aos poucos, muito embora eu esteja ansiosa pra ler tudo! Estou precisando conhecer coisas que eu demoraria a conhecer.
      Se precisar de algum dos contos, posso arranjar, ok? Beijinho!

  4. Muito bom os projetos! Assim como “A arte da ficção”, já inclui como futuras leituras: “A Ascensão do Romance” e “Para Ler Como Um Escritor”.
    Lua, tenho curiosidade de ler “Robinson Crusoé” e qualquer autora da coleção Mulheres Modernistas ^_^
    Beijos!

  5. Lua, esse é um projeto para uma vida inteira, né? Meu inglês é bom o suficiente para ler literatura contemporânea, mas tentei ler Jane Austen, por exemplo, e empaquei. Ir constantemente ao dicionário é algo que me faz querer desistir da leitura… Vou dar uma olhadinha no projeto de Juliana.
    Robinson Crusoé é um ótimo livro, mas os valores dele são bem diferentes dos nossos. Me incomodou um pouco o desapego dele à família e a forma como ele vê Sexta-Feira, mas compreendo perfeitamente que era a mentalidade mercantilista da época. É inevitável que a gente se imagine sobrevivendo naquelas condições, não é? Eu definitivamente não teria me saído tão bem quanto ele.

    1. Pois é, Eduarda, eu também acho chato ler livros mais antigos em inglês, se bem que com o kindle fica mais fácil pois o dicionário vem embutido e você só tem que selecionar a palavra e o significado aparece. Mas o projeto espero terminar em dois anos, se demorar demais eu posso perder o entusiasmo.
      Ah, é verdade, Robinson Crusoé é um marco do individualismo e é sobre isso que fala o Ian Watt no livro dele. A maneira como ele trata o Sexta-feira era própria de sua época, então para o leitor de hoje é bem estranho, realmente. =)
      Beijinho!

Deixe um comentário e eu responderei aqui mesmo. Obrigada pela visita!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s